quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Demonstração Taser.

Na tarde desta quarta-feira (28/09/2011), na sede do tiro de guerra, foi realizada a demonstração da arma não letal Taser.
Tal demonstração era um desejo antigo dos GMs, com o esforço dos GMs Gomes e Vicente, juntamente com o comandante Tozatto, que pleitearam tal demonstração junto a administração municipal.
segue o vídeo da demonstração.

video

 Parabéns aos GMs voluntários, neste vídeo GM Ralf  recebe a carga.




video

video
Neste vídeo Aspirante GMSC Thiago recebe a carga.

terça-feira, 27 de setembro de 2011

GCM Araraquara promove ciclo de palestras sobre o bullying


A Guarda Civil Municipal deu início a um ciclo de palestras em escolas públicas municipais e estaduais, que trata sobre o bullying, que é definido como uma situação que se caracteriza por agressões intencionais, verbais ou físicas, feitas de maneira repetitiva, por um ou mais alunos contra um ou mais colegas.
O termo bullying tem origem na palavra inglesa bully, que significa valentão, brigão. Mesmo sem uma denominação em português, é entendido como ameaça, tirania, opressão, intimidação, humilhação e maltrato. O bullying tem ganhado um grande foco nos últimos tempos devido influência dos meios eletrônicos, como a internet e as reportagens na televisão, pois os apelidos pejorativos e as brincadeiras ofensivas foram tomando proporções maiores.
Vários casos recentes que tiveram consequencias trágicas como mortes e suicídios proporcionaram a necessidade de se discutir de forma mais séria o tema. Com isso, diversos Guardas Civis de Araraquara participaram de um curso realizado na cidade de Ribeirão Preto, com diversos especialistas e educadores que transmitiram seus conhecimentos de forma muito objetiva sobre o tema.
“Temos certeza que a escola não deve ser apenas um local de ensino formal, e sim um local para formar cidadãos, de direitos e deveres, amizade, cooperação e solidariedade. Agir contra o bullying é uma forma barata e eficiente de diminuir a violência entre estudantes e na sociedade” diz o GCM Marco Paschoal.

Fonte: http://guarda.araraquara.sp.gov.br/portal/noticia~~26.htm

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Treinamento da GMSC Turma 2011

Foi com imensa satisfação que nós GM ASSIS e GM SILVANA estivemos hoje na sede do tiro de guerra de São Carlos, onde encontram-se em treinamento a terceira turma da GM São Carlos.
Uma turma muito gentil e alegre, que só vem a somar com a corporação da GMSC, posso adiantar aos guardas mais antigos que teremos em breve mais 73 guerreiros que nos auxiliaram no serviço do dia a dia.

                                             GRUPAMENTO ALFA
                                             GRUPAMENTO BRAVO




SEJAM TODOS BEM VINDOS, OS GUARDAS MUNICIPAIS DA 1ª E 2ª TURMA                  PARABENIZAM OS ASPIRANTES DA GUARDA MUNICIPAL DE SÃO CARLOS.  
  
OBS: EM BREVE POSTAREI O VÍDEO DA ORDEM UNIDA.

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Guarda Municipal flagra furto no interior do antigo Pronto Socorro da cidade.




Um homem de 57 anos foi detido agora a pouco pela Guarda Municipal de São Carlos após ser flagrado furtando fios da rede elétrica no interior no antigo prédio do Pronto Socorro no centro da cidade.
O acusado L.S.S. foi levado ao 1º Distrito Policial onde neste momento presta esclarecimentos á policia.

fonte: são carlos agora.

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Guarda Municipal Araraquara prende o “estelionatário do ônibus”.





Na noite desta segunda-feira(29), por volta das 21h00, a GCM foi solicitada por funcionários da CTA, pois um indivíduo que há muitos dias abordava pessoas dentro dos coletivos se passando por um funcionário da Empresa Cometa pedindo dinheiro, estava no Terminal Central de Integração tentando deixar o local após ser identificado. Foram feitas buscas nas redondezas e próximo ao Supermercado Savegnago o indivíduo foi localizado e rapidamente abordado. Com ele foram apreendidos documentos como o crachá da empresa Cometa e receitas e atestados médicos, além de 42 reais em dinheiro. Segundo informações, este homem abordava pessoas dentro dos coletivos pedindo-lhes dinheiro, e alegando ter uma filha com problemas de saúde, apresentando ainda laudos e receitas médicas. Conduzido ao plantão policial, descobriu-se que o homem atualmente reside em um hotel na cidade de São José do Rio Preto mas ele alegou que tem residência fixa na cidade de Pindorama. Descobriu-se ainda que o crachá da empresa apreendido era falso. O homem foi indiciado pelo crime de estelionato e ficou detido para a averiguação dos fatos e dos documentos apreendidos. Durante o registro da ocorrência na delegacia, o indivíduo teve um mal súbito e foi atendido pela SAMU.

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

STF vai decidir se guardas municipais podem também aplicar multas de trânsito







O Supremo Tribunal Federal vai decidir, de uma vez por todas, se guardas municipais têm competência   para aplicar multas de trânsito. A controvérsia foi reconhecida como de “repercussão geral” pelo plenário virtual do STF, por proposta do ministro Marco Aurélio, relator de um recurso extraordinário do Município do Rio de Janeiro contra decisão do Tribunal de Justiça estadual, que decidiu não ser atribuição das guardas municipais a fiscalização do trânsito, mas tão somente a “proteção” dos “bens, serviços e instalações” dos municípios (Artigo 144 da Constituição Federal, parágrafo 8º).
Ao entender que o tema “está a merecer o crivo do Supremo”, Marco Aurélio afirmou: “Está-se diante de controvérsia a envolver a Constituição Federal, cumprindo ao Supremo definir o alcance que lhe é próprio. Vale notar a circunstância de a atuação da guarda municipal no trânsito extravasar os interesses do Município do Rio de Janeiro, alcançando tantos outros que a mantêm na atividade”.
No recurso extraordinário ao STF, ajuizado em março último, a Prefeitura do Rio de Janeiro sustenta que a segurança e a fiscalização do trânsito incluem-se no chamado “interesse local”, previsto no artigo 30, inciso 1 da Constituição. Conforme tal dispositivo, “compete aos municípios legislar sobre assuntos de interesse local”.
A advogada do Rio de Janeiro, Marcia Vieira Marx Andrade, também dá ênfase à importância do pronunciamento do STF sobre a questão nos âmbitos social, político e  jurídico, “haja vista estar em jogo a autonomia municipal e a possibilidade de desautorizar-se a polícia de trânsito local e, com isso, permitir-se a impunidade de um sem-número de motoristas”.

fonte:         http://www.jb.com.br/
  

domingo, 18 de setembro de 2011

Crianças são abandonadas pela mãe no CDHU.


A Guarda Municipal e o Conselho Tutelar intercederam em uma ocorrência de abandono de incapaz. Uma mãe disse que iria trabalhar e abandonou os filhos em casa.
A equipe do São Carlos Dia e Noite acompanhou de perto esta ocorrência e apurou que a mulher deixou os filhos de 07 e 13 anos sozinhos no apartamento onde residem no CDHU da Vila Isabel.
As crianças contaram à reportagem, aos conselheiros e guardas municipais que é comum a atitude da mãe em abandoná-los e sair pra trabalha. Ela foi procurada no trabalho e o proprietário do estabelecimento informou que ela faz bicos esporadicamente no local e que neste sábado não havia sido convocada para trabalhar.
O caso foi apresentado no Plantão Policial e foi elaborado boletim de ocorrência de abandono de incapaz. O Conselho Tutelar conduziu as duas crianças no Albergue Infantil. A ocorrência será levada ao conhecimento da Vara da Infância e Juventude que decidirá sobre o futuro das crianças.

fonte: são carlos dia e noite.

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Homem é preso após danificar impressora no interior da UPA da Vila Prado


O auxiliar Geral L.P.S de 25 anos foi preso pela Guarda Municipal após danificar uma impressora dentro da UPA da Vila Prado na tarde desta domingo (11).
De acordo com a auxiliar administrativa M.A.Z.Z. de 56 anos, o rapaz chegou na unidade questionando se no local havia algum médico. Ao responder positivamente para o indiciado, o mesmo teria dado um soco na impressora assim a quebrando.
Ao tentar sair da UPA o mesmo foi parado pelo Guarda Municipal Marcos M. Ribeiro que deu-lhe voz de prisão. O rapaz foi encaminhado ao Plantão Policial onde lá foi-lhe oferecido o pagamento de fiança no valor de R$ 700,00. O acusado então ligou para sua genitora que compareceu no local dos fatos e exibiu o respectivo valor.
O rapaz responderá em liberdade pelo crime de dano qualificado. O caso será investigado pelo 2º DP.
fonte: são carlos agora.

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Formatura 4ª Turma GCMs e entrega de medalhas destaque do Ano.



Na manhã desta sexta-feira, dia 02 de setembro de 2011, a Guarda Civil Municipal realizou a cerimônia de formatura de 15 novos GCM’s, que foram aprovados no curso de formação de Guardas, com duração de aproximadamente 04 meses. O paraninfo da turma e professor, delegado Luiz Carlos Agudo, que representou o titular da Seccional Fernando Giaretta, elogiou a dedicação dos novos guardas municipais durante as aulas de Direito e o comprometimento da corporação que trabalha unida com as Polícias Civil, Militar, Federal e demais instituições de Segurança.

“A nossa Guarda Civil conquistou o respeito da sociedade pelos bons serviços prestados, inclusive com o videomonitoramento, e está mais fortalecida com a formatura de 15 novos guardas civis municipais”, disse o prefeito Marcelo Barbieri durante a solenidade.
Para o Secretário Municipal de Cooperação nos Assuntos de Segurança Pública, Eli Schiavi, o estágio dos novos 15 guardas seguiu a grade curricular da Secretaria de Segurança de São Paulo e contou com o apoio de várias secretarias municipais. A cerimônia contou com a presença de diversas autoridades e de familiares dos formandos.

A solenidade também contou com a entrega das medalhas de bronze “Destaque do ano”, que foram instituídas pela lei municipal 7.193/2010, e entregues aos Guardas que mais se destacaram no ano anterior. “Essas medalhas estão sendo entregues à 10 Guardas Civis, mas com certeza muitos outros são dignos de recebê-las”, disse o Secretário de Segurança Dr. Eli Schiavi.

Foram homenageados com o diploma “AMIGO DA GUARDA E DA DEFESA CIVIL” as pessoas e empresas que de alguma forma estiveram auxiliando a GCM e a Defesa Civil ao longo de suas atividades no ano anterior. Foram eles: Mendonça Radiocomunicação, Central Placas e Adesivos, Sucocítrico Cutrale, Amarildo Calegari – Coordenador Regional de Defesa Civil, e Dorival Campanini – Coordenador de Transportes da Prefeitura.

segunda-feira, 5 de setembro de 2011


Portaria Ministerial assegura direito de opinião aos agentes de segurança pública.(BLOGs)

Proteção ao agente de segurança na hora de se manifestar.



SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS
DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA
PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº2,
DE 15 DE DEZEMBRO DE 2010


Portaria que estabelece as Diretrizes Nacionais de Promoção e Defesa dos Direitos Humanos dos Profissionais de Segurança Pública.

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº2,
DE 15 DE DEZEMBRO DE 2010


Estabelece as Diretrizes Nacionais de Promoção e Defesa dos Direitos Humanos dos Profissionais de Segurança Pública.

O MINISTRO DE ESTADO CHEFE DA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA e o MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso das atribuições que lhes conferem os incisos I e II, do parágrafo único, do art. 87,
da Constituição Federal de 1988, resolvem:

Art. 1º Ficam estabelecidas as Diretrizes Nacionais de Promoção e Defesa dos Direitos Humanos dos Profissionais de Segurança Pública, na forma do Anexo desta Portaria.
Art. 2º A Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República e o Ministério da Justiça estabelecerão mecanismos para estimular e monitorar iniciativas que visem à implementação de ações para efetivação destas diretrizes em todas as unidades federadas, respeitada a repartição de competências prevista no art. 144 da Constituição Federal de 1988.
Art. 3º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.

PAULO DE TARSO VANNUCHI
Ministro de Estado Chefe da Secretaria de
Direitos Humanos da Presidência da República
LUIZ PAULO TELES FERREIRA BARRETO
ANEXO

DIREITOS CONSTITUCIONAIS E PARTICIPAÇÃO CIDADÃ

1) Adequar as leis e regulamentos disciplinares que versam sobre direitos e deveres dos profissionais de segurança pública à Constituição Federal de 1988.
2) Valorizar a participação das instituições e dos profissionais de segurança pública nos processos democráticos de debate, divulgação, estudo, reflexão e formulação das políticas públicas relacionadas com a área, tais como conferências, conselhos, seminários, pesquisas, encontros e fóruns temáticos.
3) Assegurar o exercício do direito de opinião e a liberdade de expressão dos profissionais de segurança pública, especialmente por meio da Internet, blogs, sites e fóruns de discussão, à luz da Constituição Federal de 1988.
4) Garantir escalas de trabalho que contemplem o exercício do direito de voto por todos os profissionais de segurança pública.

VALORIZAÇÃO DA VIDA

5) Proporcionar equipamentos de proteção individual e coletiva aos profissionais de segurança pública, em quantidade e qualidade adequadas, garantindo sua reposição permanente, considerados o desgaste e prazos de validade.
6) Assegurar que os equipamentos de proteção individual contemplem as diferenças de gênero e de compleição física.
7) Garantir aos profissionais de segurança pública instrução e treinamento continuado quanto ao uso correto dos equipamentos de proteção individual.
8) Zelar pela adequação, manutenção e permanente renovação de todos os veículos utilizados no exercício profissional, bem como assegurar instalações dignas em todas as instituições, com ênfase para as condições de segurança, higiene, saúde e ambiente de trabalho.
9) Considerar, no repasse de verbas federais aos entes federados, a efetiva disponibilização de equipamentos de proteção individual aos profissionais de segurança pública.

DIREITO À DIVERSIDADE

10) Adotar orientações, medidas e práticas concretas voltadas à prevenção, identificação e enfrentamento do racismo nas instituições de segurança pública, combatendo qualquer modalidade de preconceito.
11) Garantir respeito integral aos direitos constitucionais das profissionais de segurança pública femininas, considerando as especificidades relativas à gestação e à amamentação, bem como as exigências permanentes de cuidado com filhos crianças e adolescentes, assegurando a elas instalações físicas e equipamentos individuais específicos sempre que necessário.
12) Proporcionar espaços e oportunidades nas instituições de segurança pública para organização de eventos de integração familiar entre todos os profissionais, com ênfase em atividades recreativas, esportivas e culturais voltadas a crianças, adolescentes e jovens.
13) Fortalecer e disseminar nas instituições a cultura de não discriminação e de pleno respeito à liberdade de orientação sexual do profissional de segurança pública, com ênfase no combate à homofobia.
14) Aproveitar o conhecimento e a vivência dos profissionais de segurança pública idosos, estimulando a criação de espaços institucionais para transmissão de experiências, bem como a formação de equipes de trabalho composta por servidores de diferentes faixas etárias para exercitar a integração inter-geracional.
15) Estabelecer práticas e serviços internos que contemplem a preparação do profissional de segurança pública para o período de aposentadoria, estimulando o prosseguimento em atividades de participação cidadã após a fase de serviço ativo.
16) Implementar os paradigmas de acessibilidade e empregabilidade das pessoas com deficiência em instalações e equipamentos do sistema de segurança pública, assegurando a reserva constitucional de vagas nos concursos públicos.

SAÚDE

17) Oferecer ao profissional de segurança pública e a seus familiares, serviços permanentes e de boa qualidade para acompanhamento e tratamento de saúde.
18) Assegurar o acesso dos profissionais do sistema de segurança pública ao atendimento independente e especializado em saúde mental.
19) Desenvolver programas de acompanhamento e tratamento destinados aos profissionais de segurança pública envolvidos em ações com resultado letal ou alto nível de estresse.
20) Implementar políticas de prevenção, apoio e tratamento do alcoolismo, tabagismo ou outras formas de drogadição e dependência química entre profissionais de segurança pública.
21) Desenvolver programas de prevenção ao suicídio, disponibilizando atendimento psiquiátrico, núcleos terapêuticos de apoio e divulgação de informações sobre o assunto.
22) Criar núcleos terapêuticos de apoio voltados ao enfrentamento da depressão,estresse e outras alterações psíquicas.
23) Possibilitar acesso a exames clínicos e laboratoriais periódicos para identificação dos fatores mais comuns de risco à saúde.
24) Prevenir as conseqüências do uso continuado de equipamentos de proteção individual e outras doenças profissionais ocasionadas por esforço repetitivo, por meio de acompanhamento médico especializado.
25) Estimular a prática regular de exercícios físicos, garantindo a adoção de mecanismos que permitam o cômputo de horas de atividade física como parte da jornada semanal de trabalho.
26) Elaborar cartilhas voltadas à reeducação alimentar como forma de diminuição de condições de risco à saúde e como fator de bem-estar profissional e autoestima.

REABILITAÇÃO E REINTEGRAÇÃO

27) Promover a reabilitação dos profissionais de segurança pública que adquiram lesões, traumas, deficiências ou doenças ocupacionais em decorrência do exercício de suas atividades.
28) Consolidar, como valor institucional, a importância da readaptação e da reintegração dos profissionais de segurança pública ao trabalho em casos de lesões, traumas, deficiências ou doenças ocupacionais adquiridos em decorrência do exercício de suas atividades. 
29) Viabilizar mecanismos de readaptação dos profissionais de segurança pública e deslocamento para novas funções ou postos de trabalho como alternativa ao afastamento definitivo e à inatividade em decorrência de acidente de trabalho, ferimentos ou seqüelas.


DIGNIDADE E SEGURANÇA NO TRABALHO

30) Manter política abrangente de prevenção de acidentes e ferimentos, incluindo a padronização de métodos e rotinas, atividades de atualização e capacitação, bem como a constituição de comissão especializada para coordenar esse trabalho.
31) Garantir aos profissionais de segurança pública acesso ágil e permanente a toda informação necessária para o correto desempenho de suas funções, especialmente no tocante à legislação a ser observada.
32) Erradicar todas as formas de punição envolvendo maus tratos, tratamento cruel, desumano ou degradante contra os profissionais de segurança pública, tanto no cotidiano funcional como em atividades de formação e treinamento.
33) Combater o assédio sexual e moral nas instituições, veiculando campanhas internas de educação e garantindo canais para o recebimento e apuração de denúncias.
34) Garantir que todos os atos decisórios de superiores hierárquicos dispondo sobre punições, escalas, lotação e transferências sejam devidamente motivados e fundamentados.
35) Assegurar a regulamentação da jornada de trabalho dos profissionais de segurança pública, garantindo o exercício do direito à convivência familiar e comunitária.

SEGUROS E AUXÍLIOS

36) Apoiar projetos de leis que instituam seguro especial aos profissionais de segurança pública, para casos de acidentes e traumas incapacitantes ou morte em serviço.
37) Organizar serviços de apoio, orientação psicológica e assistência social às famílias de profissionais de segurança pública para casos de morte em serviço.
38) Estimular a instituição de auxílio-funeral destinado às famílias de profissionais de segurança pública ativos e inativos.


ASSISTÊNCIA JURÍDICA

39) Firmar parcerias com Defensorias Públicas, serviços de atendimento jurídico de faculdades de Direito, núcleos de advocacia pro bono e outras instâncias de advocacia gratuita para assessoramento e defesa dos profissionais de segurança pública, em casos decorrentes do exercício profissional.
40) Proporcionar assistência jurídica para fins de recebimento de seguro, pensão, auxílio ou outro direito de familiares, em caso de morte do profissional de segurança pública.

HABITAÇÃO

41) Garantir a implementação e a divulgação de políticas e planos de habitação voltados aos profissionais de segurança pública, com a concessão de créditos e financiamentos diferenciados.

CULTURA E LAZER

42) Conceber programas e parcerias que estimulem o acesso à cultura pelos profissionais de segurança pública e suas famílias, mediante vales para desconto ou ingresso gratuito em cinemas, teatros, museus e outras atividades, e que garantam o incentivo à produção cultural própria.
43) Promover e estimular a realização de atividades culturais e esportivas nas instalações físicas de academias de polícia, quartéis e outros prédios das corporações, em finais de semana ou outros horários de disponibilidade de espaços e equipamentos.
44) Estimular a realização de atividades culturais e esportivas desenvolvidas por associações, sindicatos e clubes dos profissionais de segurança pública.

EDUCAÇÃO

45) Estimular os profissionais de segurança pública a freqüentar programas de formação continuada, estabelecendo como objetivo de longo prazo a universalização da graduação universitária.
46) Promover a adequação dos currículos das academias à Matriz Curricular Nacional, assegurando a inclusão de disciplinas voltadas ao ensino e à compreensão do sistema e da política nacional de segurança pública e dos Direitos Humanos.
47) Promover nas instituições de segurança pública uma cultura que valorize o aprimoramento profissional constante de seus servidores também em outras áreas do conhecimento, distintas da segurança pública.
48) Estimular iniciativas voltadas ao aperfeiçoamento profissional e à formação continuada dos profissionais de segurança pública, como o projeto de ensino a distância o governo federal e a Rede Nacional de Altos Estudos em Segurança Pública (Renaesp).
49) Assegurar o aperfeiçoamento profissional e a formação continuada como direitos do profissional de segurança pública.

PRODUÇÃO DE CONHECIMENTOS

50) Assegurar a produção e divulgação regular de dados e números envolvendo mortes, lesões e doenças graves sofridas por profissionais de segurança pública no exercício ou em decorrência da profissão.
51) Utilizar os dados sobre os processos disciplinares e administrativos movidos em face de profissionais de segurança pública para identificar vulnerabilidades dos treinamentos e inadequações na gestão de recursos humanos.
52) Aprofundar e sistematizar os conhecimentos sobre diagnose e prevenção de doenças ocupacionais entre profissionais de segurança pública.
53) Identificar locais com condições de trabalho especialmente perigosas ou insalubres, visando à prevenção e redução de danos e de riscos à vida e à saúde dos profissionais de segurança pública.
54) Estimular parcerias entre universidades e instituições de segurança pública para diagnóstico e elaboração de projetos voltados à melhoria das condições de trabalho dos profissionais de segurança pública.
55) Realizar estudos e pesquisas com a participação de profissionais de segurança pública sobre suas condições de trabalho e a eficácia dos programas e serviços a eles disponibilizados por suas instituições.

ESTRUTURAS E EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

56) Constituir núcleos, divisões e unidades especializadas em Direitos Humanos nas academias e na estrutura regular das instituições de segurança pública, incluindo entre suas tarefas a elaboração de livros, cartilhas e outras publicações que divulguem dados e conhecimentos sobre o tema.
57) Promover a multiplicação de cursos avançados de Direitos Humanos nas instituições, que contemplem o ensino de matérias práticas e teóricas e adotem o Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos como referência.
58) Atualizar permanentemente o ensino de Direitos Humanos nas academias, reforçando nos cursos a compreensão de que os profissionais de segurança pública também são titulares de Direitos Humanos, devem agir como defensores e promotores desses direitos e precisam ser vistos desta forma pela comunidade.
59) Direcionar as atividades de formação no sentido de consolidar a compreensão de que a atuação do profissional de segurança pública orientada por padrões internacionais de respeito aos Direitos Humanos não dificulta, nem enfraquece a atividade das instituições de segurança pública, mas confere-lhes credibilidade, respeito social e eficiência superior.

VALORIZAÇÃO PROFISSIONAL

60) Contribuir para a implementação de planos voltados à valorização profissional e social dos profissionais de segurança pública, assegurado o respeito a critérios básicos de dignidade salarial.
61) Multiplicar iniciativas para promoção da saúde e da qualidade de vida dos profissionais de segurança pública.
62) Apoiar o desenvolvimento, a regulamentação e o aperfeiçoamento dos programas de atenção biopsicossocial já existentes.
63) Profissionalizar a gestão das instituições de segurança pública, fortalecendo uma cultura gerencial enfocada na necessidade de elaborar diagnósticos, planejar, definir metas explícitas e monitorar seu cumprimento.
64) Ampliar a formação técnica específica para gestores da área de segurança pública.
65) Veicular campanhas de valorização profissional voltadas ao fortalecimento da imagem institucional dos profissionais de segurança pública.
66) Definir e monitorar indicadores de satisfação e de realização profissional dos profissionais de segurança pública.
67) Estimular a participação dos profissionais de segurança pública na elaboração de todas as políticas e programas que os envolvam

fonte: http://amigosdaguardacivil.blogspot.com/